Atenção!A página impressa é diferente da página exibida na tela do computador.
Precisando do nosso logo? Baixe-o em um dos seguintes formatos:
Vetorial (.svg)|Rasterizado em alta resolução (.jpg)|Ícone (.ico)
Obs.: não utilize nossa marca sem autorização.
Feito!
Erro!
Logo oeste capital topo.PNG
93,3 FMOuça ao vivo
Tocando agora: Daqui a pouco mais músicas na Oeste Capital!

Dive divulga novo boletim sobre dengue, chikungunya e zika vírus em SC

VoltarVeja também
« Última» Primeira
ImprimirReportar erroTags:pomerode, consiste, borrifação, se, condições, climáticas, forem e favoráveis783 palavras14 min. para ler
Dive divulga novo boletim sobre dengue, chikungunya e zika vírus em SC
Ver imagem ampliada
Florianópolis - A Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde (Dive/SC) divulgou o quinto boletim de dengue, zika e chikungunya de 2016. Foram notificados 1.260 casos de dengue em Santa Catarina. Desses, 155 (12%) foram confirmados pelo critério laboratorial, 422 (33%) foram descartados por apresentarem resultado negativo para dengue e 683 (54%) casos estão em investigação, aguardando resultado laboratorial.

>>Chapecó confirma primeira caso de dengue contraído no município

Do total de casos confirmados (155) até o momento, 20 (13%) são autóctones, com transmissão dentro de SC, 27 (17%) são importados (transmissão fora do estado) e 108 (70%) estão em investigação para definição do provável local de infecção. 

Os 20 casos autóctones estão distribuídos pelos municípios de Bom Jesus (3), Caibí (1), Chapecó (1), Itajaí (4), Pinhalzinho (4), São José do Cedro (1), São Miguel do Oeste (3), Schroeder (1) e Videira (2). Dos 108 casos confirmados que estão em investigação de local de infecção, Pinhalzinho investiga a origem de 93 casos, Coronel Freitas, Descanso e Bom Jesus investigam 02 casos cada, e Brusque, Chapecó, Itajaí, Lages, Navegantes, Palhoça, Rio do Sul, São José do Cedro e São Miguel do Oeste investigam um caso cada.

Na segunda-feira passada, dia 1°, o Laboratório Central de Saúde Pública de Santa Catarina (Lacen/SC) recebeu kits para diagnóstico de dengue adquiridos com recursos do Estado com capacidade para processar dez mil amostras. Num esforço concentrado, foram processadas mais de 500 amostras de casos notificados, cujos resultados estão contemplados neste boletim.

A situação de Pinhalzinho está sendo acompanhada pela Dive desde o final de 2015, quando foi detectado um aumento no número de notificações de casos suspeitos de dengue. No período de 19 a 21 de janeiro, dentro do período no qual a maioria dos casos foi notificada, foi realizado um bloqueio com intensificação das visitas domiciliares para educação em saúde e eliminação e tratamento de depósitos e recipientes e, de forma complementar, aplicação de inseticida a Ultra Baixo Volume (UVB) por meio de equipamento acoplado a veículo, na área que concentrava a totalidade dos casos suspeitos. O município vem dando continuidade a esta ação e, no próximo final de semana, um novo ciclo de borrifação com UBV será realizado, de forma complementar, se as condições climáticas forem favoráveis.

Os demais municípios com casos confirmados foram orientados pela Dive a realizarem ações de bloqueio de transmissão, que consiste nas visitas aos imóveis onde residem os casos, e nos demais num raio de 50 metros. Neste momento, é realizada ação de educação em saúde, eliminação e tratamento de recipientes e, caso seja município considerado infestado, é orientado aplicação de inseticida UBV costal motorizado, na confirmação.

Em 2015, foram notificados 11.348 casos de dengue, dos quais 3.619 casos foram confirmados (32%), 6.858 (60%) foram descartados e 871 (8%) estão em investigação. Do total de casos confirmados, 3.279 (91%) eram autóctones, 275 (7%) importados e 65 (2%) estão em investigação para identificação do local provável de infecção (Tabelas 1 e 2).

Comparando os anos de 2015 e 2016, até a Semana Epidemiológica 5 de 2015 (07/02/2015), tinham sido notificados 870 casos de dengue, sendo 203 confirmados como autóctones. Já em 2016, considerando o mesmo período, foram notificados 1260 casos, sendo que 20 confirmados como autóctone, até o momento.

Em relação aos focos do mosquito Aedes aegypti, em Santa Catarina, ate a Semana Epidemiológica 05/2016 (de 1 de janeiro a 6 de fevereiro de 2016), foram identificados 1.224 focos, em 84 municípios. Neste mesmo período em 2015, tinham sido identificados 1345 focos em 55 municípios.

Municípios infestados

Atualmente, existem 28 municípios considerados infestados pelo mosquito Aedes aegypti: Anchieta, Balneário Camboriú, Chapecó, Cordilheira Alta, Coronel Freitas, Coronel Martins, Cunha Porã, Florianópolis, Guaraciaba, Guarujá do Sul, Itajaí, Itapema, Joinville, Maravilha, Nova Itaberaba, Novo Horizonte, Palmitos, Passo de Torres, Pinhalzinho, Planalto Alegre, Princesa, São Bernardino, São Lourenço do Oeste, São Miguel do Oeste, Serra Alta, União do Oeste, Xanxerê e Xaxim. A definição de infestação é realizada de acordo com a disseminação e manutenção dos focos.

Febre de Chikungunya

No período de 1 de janeiro a 6 de fevereiro de 2016, foram notificados 49 casos suspeitos de febre de chikungunya em Santa Catarina, todos permanecendo em investigação.

No ano de 2015, foram notificados 127 casos suspeitos de chikungunya, dos quais quatro (3%) foram confirmados, 80 (63%) foram descartados e 43 (34%) permanecem em investigação. Do total de quatro casos confirmados, um foi autóctone do município de Itajaí e outros três foram importados de outros estados.

Febre do zika vírus

No período de 1 de janeiro a 6 de fevereiro de 2016 foram notificados 58 casos suspeitos de febre do zika vírus em Santa Catarina. Destes, 5 (9%) foram confirmados (4 pelo critério clínico-epidemiológico e 1 pelo critério laboratorial), 23 (40%) foram descartados e 30 (52%) permanecem em investigação.

Todos os casos confirmados são importados. Estes casos foram identificados em Braço do Norte, Brusque, Florianópolis e Ipuaçu, e os prováveis locais de infecção foram os estados do Mato Grosso, Rio de Janeiro e Sergipe.


No ano de 2015, foram notificados 79 casos de febre do zika virus, dos quais 9 foram confirmados pelo critério clínico-epidemiológico, sendo todos importados de outros estados, (residentes em Itapema, Laguna, Florianópolis, Bombinhas, Gaspar e Pomerode), 63 foram descartados e 7 permanecem em investigação

Fonte:Governo de SC
Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarCompartilharPin it

Últimos recados

Curta o nosso site!