Atenção!A página impressa é diferente da página exibida na tela do computador.
Item adicionado ao pedido! E agora?
Permanecer na página atualIr para o carrinho de compras
Precisando do nosso logo? Baixe-o em um dos seguintes formatos:
Vetorial (.svg)|Rasterizado em alta resolução (.jpg)|Ícone (.ico)
Obs.: não utilize nossa marca sem autorização.

Feito!
Erro!
Logo oeste capital topo.PNG
93,3 FMOuça ao vivo
Tocando agora: Daqui a pouco mais músicas na Oeste Capital!

Fazenda de soja do Norte de SC é ocupada por 250 pessoas do MST

VoltarVeja também
« Última» Primeira
ImprimirReportar erroTags:solicite, eles, tranquila, queremos, tumulto, tivemos, prosa e continuam324 palavras5 min. para ler
Fazenda de soja do Norte de SC é ocupada por 250 pessoas do MST
Ver imagem ampliada
Famílias pedem que área seja usada para reforma agrária.

Proprietário afirma que pedirá reintegração de posse nesta segunda (1º).


Cerca de 250 pessoas ocupam uma fazenda de plantio de soja em Três Barras, no Norte de Santa Catarina, desde a madrugada de domingo (31). As famílias ligadas ao Movimento Sem Terra (MST) pedem que a área seja destinada para a reforma agrária. O dono do local informou que vai pedir nesta segunda (1º) a reintegração de posse na Justiça.  

“Faz anos que este terreno tem dívida com o governo e já foi solicitada a área para reforma agrária. Como não teve resolução, viemos para cá“, explica João Maria de Oliveira, que faz parte da coordenação estadual do MST em Santa Catarina.

Segundo o inventariante da fazenda, Sérgio Shimoguiri, o terreno está penhorado pela União devido a uma dívida de crédito rural, que pode ser negociada até dezembro deste ano.

Ocupação

As famílias chegaram à fazenda na localidade de Campininha às 4h da madrugada. “São pessoas de outros acampamentos da região, Canoinhas, Monte Castelo. Só estava o caseiro, foi uma ocupação tranquila, até porque não queremos tumulto. Hoje tivemos uma prosa e eles continuam as atividades normais. Não pretendemos sair“, afirma Oliveira.


O proprietário concorda que funcionamento da fazenda não foi afetado pela ocupação. Há maquinas de colheita de soja no local e, no momento de entressafra, há apenas um funcionário fixo. Não há colheita. 

Os barracos são divididos por até três famílias. Na tarde desta segunda-feira, oito pessoas do movimento foram procurar a Prefeitura de Três Barras para pedir estrutura de água e transporte para levar às crianças para a escola mais próxima, mas não haviam conversado com o prefeito até esta publicação.

Conforme João Maria, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) foi comunicado da ocupação na manhã desta segunda. A assessoria de imprensa do instituto informou que não sabia da ocupação e que vai intermediar alguma negociação caso a Justiça solicite.

Fonte:G1
Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarCompartilharPin it

Últimos recados

Curta o nosso site!