Atenção!A página impressa é diferente da página exibida na tela do computador.
Precisando do nosso logo? Baixe-o em um dos seguintes formatos:
Vetorial (.svg)|Rasterizado em alta resolução (.jpg)|Ícone (.ico)
Obs.: não utilize nossa marca sem autorização.
Feito!
Erro!
Logo oeste capital topo.PNG
93,3 FMOuça ao vivo
Tocando agora: Daqui a pouco mais músicas na Oeste Capital!

Greve dos professores da rede estadual completa dois meses

VoltarVeja também
« Última» Primeira
ImprimirReportar erroTags:substituírem, sido, tribunal, parados, centro, diz, florianópolis e havia250 palavras4 min. para ler
Greve dos professores da rede estadual completa dois meses
Ver imagem ampliada
Até a noite deste domingo (24) professores continuavam ocupando Alesc. Segundo SED, 160 profissionais temporários já foram contratados.


A greve dos professores da rede estadual de educação de Santa Catarina completou dois meses neste domingo (24) e continua sem acordo entre grevistas e Estado. De acordo com a Secretaria de Estado da Educação, cerca de 5%, aproximadamente 2 mil professores, estão sem dar aulas. O Sindicato dos Trabalhadores em Educação na Rede Pública de Ensino do Estado de Santa Catarina (Sinte-SC) diz que 20% dos professores do estado estão parados.

Mesmo com a decisão do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) de sexta-feira (22)que determinou que os grevistas não façam manifestações a menos de 200 metros de qualquer prédio público do estado, na noite deste domingo (24) cerca de 40 professores continuavam ocupando a hall da Assembleia Legislativa de Santa Cataina (Alesc), segundo o corpo da guarda da Casa.

De acordo com o Sinte-SC, alguns professores também permaneciam neste domingo acampados em frente ao prédio da Secretaria de Estado da Educação (Sed), no Centro de Florianópolis. 

Até a noite deste domingo (24) o Sindicato não havia sido notificado sobre a decisão. Uma reunião do comando de greve na tarde de segunda-feira (25) em Lages, na Serra catarinense, deve traçar as estratégias do movimento nos próximos dias e avaliar a decisão da Justiça.

Segundo a Secretaria de Educação, “para garantir a normalidade das atividades nas unidades escolares“, as as Gerências Regionais de Educação (Gereds) já contrataram 160 professores. No total, são 800 vagas para professores temporários substituírem os grevistas.

Fonte:G1
Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarCompartilharPin it

Últimos recados

Curta o nosso site!